Edição 2016 do Cata Guavira destaca gastronima e turismo de MS

Evento ocorre em Bonito de 25 a 27 de novembro

14971415_10211446320858248_950490630_n

A edição 2016 do tradicional Cata Guavira, que valoriza a guavira na culinária sul-mato-grossense, acontece nos dias 25,26 e 27 de novembro, em Bonito, a 300 quilômetros de Campo Grande. O festival tem como objetivo divulgar, promover, valorizar e expandir a gastronomia regional, a comunidade produtora, bem como o aprimoramento de técnicas de cozinha, utilizando produtos regionais.

O evento objetiva propiciar a troca de experiências e fomentar a relação entre produtor e consumidor, fortalecendo todo o setor da gastronomia que envolve o trade turístico: a rede hoteleira, os passeios, os restaurantes e fornecedores de alimentos, conveniências, supermercados e produtores rurais.

A cidade de Bonito é reconhecida mundo afora por suas belezas naturais e pela forma sustentável do modelo de ecoturismo desenvolvido da região. Nos últimos anos, a gastronomia também tem ganhado espaço nesse universo turístico regional, aumentando a exigência da qualidade e o investimento em capacitação profissional e melhorias neste processo.

A FRUTA

A guavira também deve ser vista como elemento transformador da realidade social da população local, de modo que venha a ser utilizada cada vez mais pela gastronomia, pois além de sua polpa incrivelmente doce, sua casca e semente podem ser usadas como especiarias em doces ou salgados, o que deve ser explorado no Brasil mundo afora.

O evento pretende apresentar o conceito de gastronomia para os estudantes das escolas públicas e particulares de todo o estado, explicando a importância da profissão do cozinheiro e do chef de cozinha para a sociedade. O setor de turismo e gastronomia hoje movimentam a economia do Mato Grosso do Sul principalmente na região do Pantanal, Corumbá, Serra da Bodoquena e na cidade de Bonito.

Dessa forma, precisam ter cada vez mais qualificação na mão de obra empregada. Entendemos que através da vinda desses profissionais com o_cinas, palestras e compartilhando suas experiências, será uma oportunidade única para o despertar dessa carreira. Turistas interessados em conhecer o paraíso ecológico poderão também ter uma grande experiência gastronômica com a fruta que é símbolo da cultura local.

Em 2016 o evento apresentará palestras de gastronomia, O_cina Educação do Gosto e também outras o_cinas para crianças promovidas pelo Slow Food de Bonito e de Campo Grande.  Acontecerá uma feira popular onde os chefes apresentarão comidinhas a valores populares na Praça da Liberdade, durante as atividades do Festival da Guavira.

O Cata Guavira 2016 reúne grandes chefs, cozinheiros, produtores, empreendedores e visitantes para experimentar menus especiais e conhecer a relevância cultural e econômica da gastronomia brasileira, sul-matogrossense e latinoamericana. Serão três dias de programação que mesclarão o_cinas, palestras e degustações.

Os chefs convidados desta edição são: a paulista Mara Salles, o colombiano Dagoberto Torres, a paulista Vivi, o corumbaense Edu Rejala, o padrinho do Cata Guavira,  Paulo Machado, entre outros.

O evento torna-se uma oportunidade de reunir profissionais do setor, ótimo momento para apresentação de produtos e serviços. É também excelente oportunidade para fomentar a relação entre clientes e empresas, promovendo negócios entre produtor e consumidor, fortalecendo todo o setor.

Fonte: midiamax/Danielle Valentim

By TurismoMT

NOVA ARTE TURISMOMT RGB

 

Anúncios

Conheça alguns dos principais roteiros de mergulho no País.

Quem deseja praticar o mergulho sem o auxílio do instrutor deve fazer um curso básico

Mergulho

O mergulho é uma das atividades de aventura mais desejadas pelos turistas, segundo Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura (Abeta).

Para poder mergulhar, o interessado passa primeiro pelo “batismo”, uma descida realizada até 12 metros de profundidade. O turista recebe uma breve explicação e depois mergulha acompanhado por um instrutor.

Quem deseja praticar o mergulho sem o auxílio do instrutor deve fazer um curso básico, dividido em aulas teóricas e exercícios práticos em piscinas ou águas abertas. Após esse processo, o interessado faz uma prova teórica. O praticante recebe um certificado e estará apto a mergulhar.

Há várias escolas no País; procure aquelas com certificação de entidades reconhecidas internacionalmente, como o Padi (Professional Association of Diving Instructors ou Associação Profissional dos Instrutores de Mergulho, a maior certificadora de mergulho do mundo) ou o PDIC (Professional Diving Instructors Corporation ou Corporação dos Instrutores Profissionais de Mergulho).

Turistas que possuem mobilidade reduzida ou não têm movimento em nenhum dos membros, também têm acesso ao mergulho, desde que estejam acompanhados por um instrutor habilitado pela Sociedade Brasileira de Mergulho Adaptado. Deficientes visuais podem mergulhar conduzidos por outro mergulhador e a comunicação é feita por meio de toques.

Confira alguns dos principais roteiros de mergulho no Brasil, tanto para flutuação quanto para descidas com cilindro:

Fernando de Noronha (PE): Ilha localizada no Oceano Atlântico, a 360 km da costa brasileira. São 21 ilhas e ilhotas com os melhores pontos de mergulho do Brasil, com visibilidade que chega a 50 metros em alguns pontos. A diversidade de espécies marinhas faz com que o praticante se sinta em um grande aquário, com tartarugas-marinhas, golfinhos, diversos tipos de peixes, corais. A entrada de turistas é controlada, com pagamento de taxa ambiental por tempo de permanência.

Guarapari (ES): Litoral Sul do Espírito Santo, conhecido como um dos mais belos trechos do litoral sudeste do Brasil. Uma movimentação traz para a superfície águas profundas do oceano e desenvolve vida marinha no entorno da ilha.  O mergulhador também pode visitar naufrágios, como os do Beluccia e do Victory 8B. O primeiro afundou em fevereiro de 1903 e o segundo, em 2003. O Victory 8B foi um naufrágio controlado do Brasil, preparado para mergulhadores visitarem e que se tornou um abrigo para várias espécies marinhas. A visibilidade é de cerca de 10 metros durante o ano e, no verão, pode atingir 15 metros.

Abismo Anhumas (MS):  É uma caverna localizada a 23 km de Bonito (MS). É preciso descer 72 metros de rapel para atingir um lago de águas cristalinas, com 80 metros de profundidade. Quem tem certificação pode fazer mergulho com cilindro.

Rio Formoso (MS): O mergulhador vê de perto a formação calcária e os peixes da região, principalmente o piraputanga e o curimbatá. A profundidade é de 5,5 metros. Rio Formoso fica a seis quilômetros do centro de Bonito (MS).

Rio da Prata (MS): Quem não tem certificação pode mergulhar nas águas cristalinas do Rio Prata, acompanhado por um condutor profissional. Lá é possível ver, a uma profundidade de até oito metros, uma variada quantidade de peixes, como cacharas, pacus, curimbatás, pintados, piraputangas e dourados.

Lagoa Misteriosa (MS): A profundidade desse lago, como o nome já diz, é um mistério: um mergulho exploratório já alcançou 220 metros, sem que o fundo fosse avistado. Mergulhar com cilindros permite ver os paredões rochosos, a vegetação subaquática e cardumes de pequenos peixes.

Naufrágio Rosalinda (BA): Localizado no Arquipélago dos Abrolhos, a 70 km da costa, mergulhadores podem visualizar o cargueiro italiano que afundou em 1955. Os sacos de cimento que estavam em seu porão continuam intactos, a 20 metros de profundidade. O casco está coberto de corais-de-fogo. Para entrar no navio é necessária certificação avançada.

Naufrágio Guadiana (BA): Navio inglês que naufragou em 1885, levando grãos de café, localizado no Arquipélago de Abrolhos, está a 27 metros de profundidade e tem 120 metros de comprimento. O mergulhador encontra vários tipos de corais e cardumes de griacó a meia nau e barracudas grandes. Exige certificação avançada para mergulhar.

Naufrágio Santa Catarina (BA): Cargueiro alemão a vapor, carregado de material agrícola, afundou em 1914. Tem 114 metros de comprimento e virou casa de cardumes de budiões azuis, salemas, raias matas e outras espécies marinhas. Também é possível identificar vasos sanitários, guinchos e casas de máquina. Está a 25 metros de profundidade e é necessário certificação avançada para mergulhar no local.

Fontes:
Ministério do Turismo
Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura (Abeta)
Sociedade Brasileira de Mergulho Adaptado

BY TURISMOMT

Estudo sobre turismo na Ilha Grande

Apresentação de um estudo sobre a cadeia produtiva do turismo local

ANGRA DOS REIS

Representantes da TurisAngra e do trade turístico da Ilha Grande se reuniram na ultima semana na Casa de Cultura, no Abraão, para assistirem à apresentação de um estudo sobre a cadeia produtiva do turismo na Ilha Grande. O trabalho foi realizado por Patrícia Cerqueira Reis, pesquisadora da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) e doutoranda da Universidade de São Paulo (USP) na área de Comunicação. A pesquisa, iniciada no ano passado, teve como objetivo analisar o funcionamento do turismo local, ressaltando pontos positivos e negativos.

“Através da pesquisa podemos constatar o quanto a beleza e a exuberância da Ilha Grande disfarçam problemas de infraestrutura”, resumiu a pesquisadora. Ela explica que os turistas costumam ficar tão encantados com as belezas naturais que acabam por relativizar alguns problemas. “Isso é bom? É médio. Pois isso é um sinal de risco. Esse turista que percebe problemas de infraestrutura, mas retorna mesmo assim, a médio e longo prazo vai deixar de vir. Pois esses problemas vão aos poucos desconstruindo a imagem positiva que ele tem do local”, explicou.

Um porto forte do turismo local é o ecoturismo, em alta atualmente, de acordo com Patrícia. Ela compara a Ilha Grande a lugares como Fernando de Noronha e Bonito, dois destinos identificados com o ecoturismo. Mas, segundo ela, esses destinos estão mais avançados em termos de serviços e articulação do turismo com a comunidade. Os serviços de transporte foram apontados como um ponto fraco do local, principalmente por causa das Barcas S/A, que recebeu uma avaliação negativa.

Participaram da apresentação representantes de hotéis e pousadas, do Convention Bureau da Ilha Grande, de entidades de classe como a Associação de Moradores da Ilha Grande (Amaig) e o Conselho de Desenvolvimento Sustentável da Baía da Ilha Grande (Consig), Polícia Militar, TurisRio dentre outros. O presidente da TurisAngra, Hique Carloni, e o secretário de Atividades Econômicas, Josias Martins do Carmo Filho, foram os principais representantes do governo municipal.

Mais de 150 pessoas foram entrevistadas para a pesquisa, incluindo representantes do trade e turistas. O trabalho, intitulado “Marketing Territorial: um estudo sobre o trade de turismo da Ilha Grande”, será lançado dentro de alguns meses pela Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberj) como parte de um livro sobre marketing territorial, campo da pesquisadora. O marketing territorial é voltado para o estudo de marcas de cidades, estados ou regiões, pela mesma lógica do marketing coorporativo. Na USP, Patrícia desenvolve um estudo sobre a marca “Rio de Janeiro”.

Uma das propostas do trabalho apresentado é o fortalecimento da marca “Ilha Grande”. De acordo com o presidente da TurisAngra, a pesquisa servira de base para as próximas ações voltadas para o fortalecimento e a estruturação do turismo.

“Vamos nos reunir no próximo mês com representantes de diversos setores ligados ao turismo para formarmos grupos de trabalho – afirmou Carloni, que pretende incluir nesses grupos setores do poder público, como a Secretaria de Meio Ambiente e a Fiscalização de Posturas. – O objetivo é a gente pensar em tudo o que foi exposto aqui e ver o que podemos fazer para ordenar e qualificar o turismo”, resumiu o presidente da TurisAngra.

http://www.avozdacidade.com/

BY TURISMOMT

Governo reforça ações para promoção internacional do turismo de MS

Foto: Rachid Waqued

Foto: Rachid Waqued

O governador André Puccinelli abriu na noite desta segunda-feira (25), na Capital, a 1ª edição da Bolsa Internacional do Turismo de Mato Grosso do Sul (BIT-MS), evento que intensifica ações de promoção e comercialização dos destinos turísticos, porque aproxima os suppliers (vendedores e fornecedores de produtos e equipamentos voltados para o atendimento o turista) e buyers (compradores, que são os operadores dos mercados nacional e internacional).

Os secretários de Turismo dos Estados de Goiás e Mato Grosso estiveram na abertura, com jornalistas do Brasil e do exterior, agentes de viagens e operadores nacionais e internacionais, e outros representantes do trade turístico. “Este governo tomou a iniciativa, já em 2007, de divulgar não só a nossa carne e os nossos grãos, mas diversificar a matriz econômica para setores como o sucroenergético, o de energia renovável, de florestas e também do turismo, que é uma indústria limpa”, afirmou André.

Puccinelli lembrou as diversas missões internacionais que liderou, com parceiros como o Sebrae/MS, também apoiador da BIT, onde reforçou a divulgação de destinos e atrativos já conhecidos internacionalmente e também os potenciais. “É importante chamar a atenção não só para Bonito, que por nove vezes foi considerado o melhor destino de ecoturismo, mas também Jardim, toda a Serra da Bodoquena. Temos o turismo de eventos, que pode ser tanto nessas cidades quanto em Campo Grande, e estamos construindo o Aquário do Pantanal. Estamos trabalhando para dar a conhecer Mato Grosso do Sul”, reforçou o governador.

A diretora-presidente da Fundação de Turismo do Estado, Nilde Brun, destacou que os três objetivos principais do evento, que prosseguem até o dia 27, são os de aproximar vendedores e compradores, aproximar os compradores dos equipamentos e da estrutura disponível em Mato Grosso do Sul para receber o turista e gerar negócios que irão refletir também na melhoria da qualidade de vida do sul-mato-grossense. Além da rodada de negócios que acontece no Centro de Convenções Rubens Gil de Camillo, os participantes irão visitar sete roteiros. “Queremos, então, que os compradores, além dos grandes negócios que farão, ajudem a melhorar os nossos produtos”, afirmou Nilde Brun.

A expectativa, conforme a diretora-presidente, é que essas ações contribuam com o crescimento turístico no Estado, que tem sido de 11% ao ano. Além dos negócios que serão fechados durante a 1ª Bolsa de Turismo, a Fundtur vai fazer um acompanhamento para mensurar os resultados durante os próximos seis meses, com a previsão de que nesse período o impacto de novos negócios seja significativo.

O superintendente do Sebrae-MS, Cláudio George Mendonça, reforçou a parceria com o Estado, que já acontece em grandes eventos como os festivais América do Sul e de Inverno de Bonito e que também tem acontecido no fomento ao turismo. “Temos buscado ajudar a promover os nossos destinos, e contamos com o conhecimento de projetos do Sebrae no cenário nacional, como o de turismo rural”, citou Mendonça.

Para a presidente da Associação Brasileira das Agências de Viagem em Mato Grosso do Sul (Abav-MS), Cristina Albuquerque, a 1ª BIT será importante para fidelizar os compradores e para incentivar a parte de treinamento.

Brasileiro radicado nos Estados Unidos há 46 anos e há oito atuando oficialmente como operador de turismo, o empresário Leo Madeira acredita que o Pantanal sul-mato-grossense tem muito potencial e ainda é pouco divulgado por lá. A empresa da qual ele é proprietário, a Amazon Pantanal Adventures, atende pequenos grupos e faz 80% das viagens para a região amazônica. “Aqui existe um campo vasto para trabalhar, e através desta feira podemos ampliar este quadro. Agora mesmo, sem fazer divulgação, só com a minha vinda para a BIT, já tenho um grupo de dez pessoas para trazer para o Pantanal”, analisa. “Aqui a facilidade de observação dos pássaros e outros bichos é maior, a pescaria é melhor, é mais interessante”.

Fonte: Notícias MS

BY TURISMOMT

A lagoa misteriosa

Este slideshow necessita de JavaScript.

A visão do abismo azul, os paredões de rocha vertical, os troncos caídos e os pequenos peixes que brilham sob os feixes de luz refletidos nas águas cristalinas transformam a Lagoa Misteriosa em um ambiente único

Uma lagoa de água azul que impressiona por sua incrível transparência e profundidade, a Lagoa Misteriosa fica no fundo de uma dolina de 75 metros de profundidade, tipo de formação geológica característica de áreas cársticas que é similar a um buraco, a qual é toda coberta por vegetação arbórea e circundada pela mata.
A partir de 6 metros de profundidade, a Lagoa Misteriosa é considerada uma caverna de gênese freática, isto é, uma cavidade formada pelo fluxo de água do lençol subterrâneo, sendo uma das mais profundas cavernas inundadas do Brasil, atingindo mais de 220 metros de profundidade, registro feito por Gilberto Menezes de Oliveira em 1998.
Devido as diversas cavidades naturais inundadas existentes na região, como a Lagoa Misteriosa, Abismo Anhumas, Gruta do Mimoso, Buraco das Abelhas, Nascente do Taquaral, entre outras, a Serra da Bodoquena é considerada um ponto de referência no Brasil para a prática do espeleomergulho e um dos melhores lugares do mundo para o desenvolvimento desta atividade.

Lagoa Misteriosa: abismo azul, cavidade alagada (Foto: Marcelo Krause)

A Lagoa Misteriosa estava fechada para visitação turística desde 2005, devido à falta do Plano de Manejo Espeleológico, documento que compreende o diagnóstico ambiental da área e estabelece as diretrizes para o seu manejo e conservação. Neste mesmo ano, a área da Lagoa foi adquirida pelo Grupo Rio da Prata, responsável pelos atrativos Recanto Ecológico Rio da Prata e Estância Mimosa, o qual iniciou os estudos ambientais necessários para o Plano de Manejo, e que irá tocar a operação turística da Lagoa Misteriosa, seguindo as mesmas diretrizes de atendimento de qualidade e sustentabilidade que levaram o Recanto Ecológico Rio da Prata e a Estância Mimosa a receber diversos prêmios nacionais.
O Plano de Manejo Espeleológico da Lagoa Misteriosa foi finalizado em 2009, elaborado por uma equipe multidisciplinar de 15 pesquisadores, e submetido ao Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Cavernas – CECAV/ICMBIO, que encaminhou ao IMASUL/MS em 2010 um parecer técnico aprovando o Plano de Manejo Espeleológico da Lagoa Misteriosa, com recomendações para o licenciamento da cavidade.
Em abril de 2009 foi realizada uma Audiência Pública em Bonito, promovida pela Promotoria de Justiça de Bonito, que versou sobre o licenciamento ambiental dascavernas turísticas da Serra da Bodoquena. Esta audiência que reuniu o IMASUL, CECAV/ICMBIO/IBAMA e o trade turístico local, visava esclarecer, por parte dos órgãos públicos, quais os procedimentos necessários à abertura e funcionamento das cavidades com potencial turístico.
Como resultado ficou estabelecido que o licenciamento ambiental das cavidades turísticas passou a ser competência do Estado, cujo órgão licenciador atualmente é o IMASULInstituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul. Assim, em 2010 o IMASUL publicou a resolução SEMAC Nº 24/2010 que estabeleceu procedimentos para o licenciamento ambiental das atividades turísticas em cavidades naturais no âmbito do estado do Mato Grosso do Sul. Esta resolução foi muito importante para o turismo de Bonito e Jardim, pois irá permitir que as cavidades turísticas voltem a funcionar, após o seu licenciamento ambiental, conforme foi realizado com a Lagoa Misteriosa.
Assim, em 2011, após 06 anos fechada para visitação turística, a Lagoa Misteriosa finalmente volta a operar, oferecendo os passeios de Trilha e Flutuação, Mergulho com cilindro e Mergulho Técnico.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Mergulho com cilindro

O passeio de Mergulho com cilindro na Lagoa Misteriosa, engloba 3 categorias:

  • Batismo: uma experiência de mergulho autônomo totalmente segura e confortável para pessoas que querem mergulhar com cilindro, mas não possuem curso de mergulho. Profundidade máxima atingida: 8 metros. Proporção de um visitante por instrutor de mergulho, com exceção quando os visitantes já tiverem experiências anteriores de mergulho autônomo, caso em que será possível até duas pessoas por instrutor.
  • Autônomo Básico: para quem tem a certificação Open Water Scuba Diver. Profundidade máxima atingida: 18 metros. Até dois visitantes para um instrutor.
  • Autônomo Avançado: para quem tem a certificação Advanced Open Water Scuba Diver. Profundidade máxima atingida: 25 metros. Até dois visitantes para um instrutor.
O passeio segue um roteiro similar ao passeio de Trilha e Flutuação, sendo a única diferença o tipo de atividade desenvolvida na água.
Ou seja, os visitantes partem do receptivo da Lagoa e percorrem uma pequena trilha interpretativa em meio a mata que circunda a dolina. Esta trilha conduz ao mirante, de onde é possível contemplar toda a beleza da vegetação arbórea que cobre a dolina de 75 metros de profundidade, e ver a Lagoa Misteriosa. O acesso a lagoa é feito por uma escadaria de 179 degraus, confortável e segura.
Ao chegar no deque de acesso à Lagoa Misteriosa, o visitante é equipado com os equipamentos de mergulho Scuba e recebe um treinamento sobre os mesmos, para facilitar a sua adaptação. Esta é a hora de se soltar e relaxar, deixar de lado todas as preocupações, pois o guia de mergulho estará sempre ao seu lado, lhe passando segurança e indicando o caminho a seguir.
O mergulho é fenomenal: a sensação que se tem ao mergulhar em águas tão transparentes sobre um abismo é de se estar voando, como se você estivesse solto no ar.
Esqueça do mundo e contemple a imensidão da Lagoa Misteriosa: a visão dos dois abismos azuis, os paredões verticais rochosos, os troncos caídos, os depósitos de areia branca, as galhadas com folhas douradas, os pequenos peixinhos que brilham com os feixes de luz….
Após o mergulho, que tem duração de 30 a 40 minutos, em média, o visitante retorna ao deque, é auxiliado a retirar os equipamentos, sobe a escadaria e, acompanhado pelo guia, percorre mais um pequeno trecho de trilha interpretativa, retornando ao receptivo da Lagoa Misteriosa, cheio de histórias para contar e fotos para compartilhar!
O batismo pode ser feito por qualquer pessoa acima de10 anos de idade, basta ter disposição. As restrições médicas são gestantes e pessoas com problemas cardíacos.
Duração total do passeio: em torno de 1h40min
Comprimento da Trilha: 1.100 metros (ida e volta)
Devido a proximidade dos atrativos é possível realizar o passeio de Trilha e Flutuação ou o passeio de Mergulho com cilindro no Recanto Ecológico Rio da Prata no mesmo dia que o passeio na Lagoa Misteriosa.
Para aqueles que optarem somente por realizar o passeio na Lagoa Misteriosa, o mesmo pode ser completado com um delicioso almoço na sede do Recanto Ecológico Rio da Prata.

Informações preliminares

Operamos nosso passeio de acordo com as normas técnicas da ABNT(Associação Brasileira de Normas Técnicas) para o setor de Turismo de Aventura. Este descritivo visa atender a NBR 15286 – Informações Preliminares ao cliente, ou seja, são asinformações preliminares ao visitante da Lagoa Misteriosa.

Razão social: Japacanim Ecoturismo Ltda
Endereço: Rodovia BR 267, km 518, Zona Rural, 79.240-000 – Jardim, Mato Grosso do Sul
Localização: a 36 km da cidade de Jardim/MS e a 50 km de Bonito/MS
Acesso de Bonito: Através da Rodovia Bonito/Jardim – MS 178, (estrada velha p/ Porto Murtinho), dando acesso à BR 267 Km 518. 18 km de Trecho sem asfalto. Há sinalização.
Registro no Ministério do Turismo: 12.002132.60.0001-0
Funcionamento: todos os dias das 7:30 às 17:30 (setor de reservas)
Observações:
– Os passeios possuem horários agendados pelas agências de turismo local;
– O transporte até o atrativo não está incluso, e também pode ser agendado com a agência de turismo;
– Oferecemos locação de máquina subaquática na recepção do Rio da Prata;
– No receptivo da Lagoa Misteriosa há um bar. Aceitamos dinheiro ou cheque;
– O almoço é servido no restaurante do Rio da Prata. Há também bar e loja de souvenirs. Nesses locais aceitamos os cartões VISA e Mastercard.

 Mergulho técnico

No momento, os tarifários de mergulho técnico na Lagoa Misteriosa estão sob consulta, de acordo com os detalhes do planejamento do mergulho. Para check-out de mergulhadores em formação, os tarifários também estão sob consulta.
Existem regras específicas de segurança e conservação ambiental que serão passadas antes dos mergulhos que devem ser seguidas.

Trilha e Flutuação

Data e horário do passeio devem ser agendados através de uma agência de turismo
O transporte até o atrativo não está incluso, e também pode ser agendado com a agência.
Descrição das atividades envolvidas: A partir do receptivo da Lagoa, caminhada de 600 metros por trilha interpretativa até a chegada ao mirante de contemplação e a escadaria de acesso (179 degraus), descida da escadaria, contemplação da lagoa e flutuação em circuito circular, subida da escadaria, retorno por trilha interpretativa por 500 metros até o receptivo. Grupos de até 10 pessoas acompanhados por guia credenciado.
Duração total do passeio: em torno de 1 hora e 40 minutos.
Observação: Nenhuma experiência prévia de flutuação é necessária.
O que trazer: calçado fechado (Tênis, bota ou papete), roupa de banho e toalha, dinheiro para consumos extras. Oferecemos máquina digital sub-aquática e toalhas para locação.
Idade mínima para o passeio: 08 anos*, sendo que crianças até 12 anos devem estar acompanhadas dos pais ou responsáveis.
Idade máxima para o passeio: 65 anos*.
*Idade mínima e máxima flexível para mais ou para menos, de acordo com porte físico da criança ou do visitante, avaliados pelo guia e gerente do passeio.
Restrições médicas: Gestantes e pessoas com problemas cardíacos. Visitantes devem comunicar problemas de saúde (diabetes, hipoglicemia, pressão alta ou baixa e alergias graves ) ao guia para maior cuidado e atenção.
Grau de dificuldade: Médio (devido a escadaria com 179 degraus)
Condicionamento físico necessário: Condicionamento para esforço moderado (devido a escadaria com 179 degraus)
Incluso no valor:
  • Seguro de acidentes pessoais vigente somente durante o passeio. Dados necessários para o preenchimento: Nome completo, telefone de contato, data de nascimento, cidade/estado, contato em caso de necessidade, problema de saúde, assinatura;
  • Equipamentos necessários para a realização do passeio: máscara e snorkel, colete salva-vidas;
  • Acompanhamento de guia de turismo credenciado no atrativo.
Opcional: Almoço típico no receptivo do Recanto Ecológico Rio da Prata, que pode ser adquirido em conjunto com o passeio na agência.
Não-inclui: consumo no bar do receptivo da Lagoa Misteriosa. Aceitamos somente cheque e dinheiro.
Recomendações:
  • Barba e Bigode: é recomendável vir ao passeio com a barba feita, pois alguns tipos e tamanhos de barbas e bigodes podem atrapalhar a vedação da máscara no rosto e prejudicar o aproveitamento do passeio.
Restrições:
  • Durante o passeio (a partir da sede até o retorno a ela) não é permitido ingerir bebida alcoólica, fumar e lanchar, tanto na trilha como na lagoa.
  • Proibido uso de protetor solar e repelente.
  • Existem regras de visitação e de conduta consciente em ambientes naturais, como não coletar pedras e troncos, não tocar no fundo do rio, que devem ser seguidas, essas regras serão informadas pelo guia no início do passeio.
  • Em caso de chuvas intensas, que comprometam a qualidade e segurança no trajeto, o passeio poderá ser cancelado ou interrompido.
BY TURISMO MT

Roteiro integrado Brasil Central tem oficina em Poconé

Secretária Teté Bezerra e o prefeito de Poconé, Arlindo Marcio Marais

Dando continuidade ao trabalho de construção de um roteiro integrado entre os três estados da região Centro Oeste, aconteceu na tarde desta segunda-feira (04.06), em Poconé (100 quilômetros de Cuiabá), a quarta etapa do Plano de Desenvolvimento do Turismo do Brasil Central.

O estudo esta sendo desenvolvido pela empresa Barcelona Media, da Espanha através de um Projeto de Cooperação Técnica Internacional com a Associação Brasileira dos Sebrae Estadual (Abase) e envolve a iniciativa privada, o trade e o poder público. O cronograma de atividades será executado de fevereiro a setembro deste ano.

As cidades de Mato Grosso inseridas no Plano são Poconé e Chapada dos Guimarães, em Goiás – Chapada dos Veadeiros e Pirenópolis, Mato Grosso do Sul – Bonito e Corumbá e no Distrito Federal é Brasília.

Para o prefeito de Poconé, Arlindo Marcio Morais, o Pantanal é o grande diferencial do roteiro integrado Brasil Central. Ele acredita que a oportunidade é um desafio que será superado. “Estamos na expectativa de poder contribuir e colocar em pratica o que for salientado no estudo. O mundo precisa conhecer o Pantanal de Mato Grosso”, argumentou.

Para a secretária Teté Bezerra no primeiro momento o objetivo do Plano é proporcionar novas visões e experiências de benchmarking internacional para os membros do trade turístico do Brasil Central e também a incorporação de iniciativas bem sucedidas no setor, através de intercâmbio para transferência de metodologias aplicadas em Barcelona.

A secretária destaca ainda que Barcelona focou no desenvolvimento e aproveitamento da cultura local, reorganização urbanística, integração da população local, a implementação plena da acessibilidade e o aproveitamento dos grandes eventos, como a Olimpíada 1994 e o Fórum Universal de Cultura, em 2004.

“São referências bem sucedidas que vamos construir um modelo ideal para formatar os nossos produtos turísticos. A experiência de Barcelona é maravilhosa. A cidade aproveita tudo e transforma em roteiro turístico”, disse.

A representante do Sebrae/MT, Marisbeth Maria Gonçalves, explicou que nas duas primeiras etapas do Plano os consultores foram in loco conhecer cada Estado e as cidades determinadas. Já a terceira etapa consistiu na viagem de Conhecimento do Projeto de Desenvolvimento do Turismo no Brasil Central, no mês de maio, na cidade de Barcelona, na Espanha, por tratar-se um referencial em processos de desenvolvimento do setor de Turismo.

Ela desta que o próximo passo é analisar os pontos prioritários de cada estado. Os resultados deverão ser apresentados em seminários futuros para culminarem na definição de estratégias comuns. Por fim, o trabalho irá gerar um plano oficial de desenvolvimento do Brasil Central no âmbito do turismo. O documento servirá como diretriz para a atual e para as próximas gestões. “O Brasil tem grande potencial natural que precisam ser explorados. Precisamos aproveitar duas grandes ocasiões que é a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016”, destacou.

Na oficina em Poconé colaboraram representantes de empresas privadas e do receptivo, além da representante do Conselho de Turismo de Chapada dos Guimarães, Sônia Bezerra e o secretário do Turismo de Poconé, Guilherme Arruda.

Sedtur

BY TURISMOMT

 

Cinco cidades devem atrair 190 mil turistas neste ano

Pólos turísticos do Estado, Corumbá e Bonito seguem com sendo as cidades que mais atraem pessoas de fora do Estado e do País

O carnaval 2012 promete seguir o ano anterior e ser bom para os setores de comércio e serviço de Mato Grosso do Sul. Somente nas cinco cidades com maior número de visitantes são previstos pelo menos 190 mil turistas, com movimentação estimada de R$ 24 milhões, segundo dados dos municípios. Mesmo ainda em janeiro, a redes hoteleiras de Bonito, Corumbá, Jardim, Paranaíba e Rio Verde já estão praticamente lotadas.

Pólos turísticos do Estado, Corumbá e Bonito seguem com sendo as cidades que mais atraem pessoas de fora do Estado e do País, a cidade pantaneira voltada para o turismo de festa, e o municípios que abrange o Rio Formoso voltado para quem quer descanso. Já Rio Verde e Jardim devem receber mais visitantes do próprio MS.

O carnaval de Paranaíba deve ser a grande novidade de público, impulsionado pelo show de Michel Teló, que abrirá a festa dia 17 de fevereiro; durante os sete dias do “Carnaíba” 2012, o Executivo municipal espera 120 mil pessoas. São esperados turistas de estados vizinhos, como São Paulo e Mato Grosso, e até de outros países, como Paraguai e Argentina

http://www.correiodoestado.com.br/

BY TURISMOMT

%d blogueiros gostam disto: