ABAV 2011: Brasil precisa investir na acessibilidade do turismo

Apesar de o Brasil ter mais de 28 milhões de pessoas com deficiência, hotéis, meios de transporte e pontos turísticos nacionais não estão preparados para receber esse público. Esses e outros dados foram divulgados na oficina “Adaptabilidade: um viajante diferenciado. Recomendações práticas para hotéis, atrações e companhias aéreas”, ministrada por Ricardo Shimosakai, do blog Turismo Adaptado, nesta sexta-feira, no o 39º Congresso Brasileiro de Agências de Viagens e Feira das Américas – ABAV 2011.

“Esse número é equivalente a 1 bilhão de pessoas deficientes no mundo. É um nicho pouco explorado no País, mas que precisa ser levado em consideração o quanto antes, nem que seja somente voltado para o empreendedorismo”, alertou Ricardo, que é cadeirante e já viajou para muitos países.

A informação é o maior presente nesse nicho de mercado, mesmo porque, às vezes, nem o próprio deficiente sabe como utilizar a acessibilidade oferecida pelos poucos hotéis nacionais. Segundo Ricardo, é complicado se sentir seguro num País em que o selo de acessibilidade é usado de forma errada. “Já vi hotéis com o selo sem uma cadeira de banho ou com profissionais orientados a não mexer nos móveis, pensando nos cegos. Sem falar que quando um hotel tem quarto adaptado é somente um”, contou.

O transporte também faz parte do pacote turístico acessível, como ônibus adaptados e metrô com rampa, como as estações de São Paulo. Quando se fala em grandes eventos no Brasil para daqui a cinco anos ao todo é importante destacar também a Paraolimpíada de 2016. Atletas com deficiências diversas delegações esperam encontrar oportunidade de iguais, a começar nos aeroportos que precisarão de profissionais capacitados para atender cadeirantes e pessoas com outros tipos de deficiência vindos em qualquer companhia aérea, além de equipamentos de segurança e locomoção.

Em locais naturais, como os parques, monitores e guias também devem ser preparados para esse atendimento especial, inclusive em locais tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). “Muitos não sabem, mas o órgão tem uma portaria sobre acessibilidade aos locais tombados. É essencial o portador de deficiência ter autonomia e isso gera qualidade de vida”, comentou Ricardo, alertando. “Não é caro fazer essa adequação, depende mais da boa vontade de todos. Se tivermos qualidade nesse tipo de serviço, mas estrangeiros vão querer conhecer o Brasil”.

http://www.revistafator.com.br/

By TurismoMT

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: