Estrutura do aeroporto de MT é criticada

Principal aeroporto de Mato Grosso recebeu críticas de deputados que integram o Fórum Legislativo das cidades-sedes do Mundial de futebol em 2014

Deputados federais que estiveram Mato Grosso ontem para o Fórum Legislativo das cidades-sedes da Copa do Mundo de 2014 criticaram a estrutura do aeroporto Marechal Rondon. Para o deputado Romário Faria (PSB-RJ), o local “é precário e não tem condições de receber um evento esportivo como a Copa”.

O aeroporto também chamou a atenção negativamente do deputado Jonas Donizette (PSB-SP), presidente da Comissão de Turismo e Desporto da Câmara Federal. “Achei problemática a estrutura do aeroporto, me preocupou muito”, disse o deputado. Cuiabá foi a nona cidade-sede da Copa a ser visitada pelo Fórum, que debate os desafios e metas para a realização do evento esportivo.

O evento aconteceu na Assembleia Legislativa e contou com a presença de diversas autoridades do Estado, além de parlamentares de outros Estados que fazem parte do Fórum.

Embora todos concordem que a Copa deixará legado para as cidades e para o Brasil, é um consenso entre as autoridades de que há muitos entraves ainda para a concretização das ações.

Ex-craque do futebol e hoje deputado, Romário apontou a falta de discussão de políticas públicas nas áreas sociais, de saúde e educação. Para ele, a Copa não pode significar apenas infraestrutura. “Em todas as cidades-sedes em que fui, fiz um levantamento e vi que num raio de 5 km em torno da arena ou o aeroporto tem um hospital em condições precárias, essas coisas precisam ser revistas. O Brasil pertence ao brasileiro da classe C, D e E que sonha com dias melhores e a Copa é a oportunidade para isso”, defendeu o deputado.

Romário também cobrou da Agecopa empenho para que a acessibilidade aos portadores de deficiência seja garantida em toda e qualquer nova obra que for realizada no Estado, garantindo a inclusão da minoria. “Estão gastando bilhões em obras, porque não tirar um pouco para ações na educação, na saúde”, cobrou Romário.

No final do evento houve manifestação de líderes comunitários e grevistas da Polícia Civil, que ao perceberem que não teriam espaço para falar, interromperam aos gritos a fala do presidente da Agecopa, Eder Moraes, reivindicando direito de fala. O presidente do Fórum, deputado Jonas Donizette explicou que o formato do evento realmente não abria espaço para o debate com o público por causa da agenda curta, de apenas um dia em cada cidade, mas acabou abrindo para a fala. Em suma, os líderes comunitários reclamaram da falta de atendimento na periferia enquanto investimentos milionários são feitos para a Copa.

Eder Moraes respondeu aos questionamentos explicando que na matriz de responsabilidade para a Copa está previsto ampliação da rede médico-hospitalar e investimento em segurança e que a questão da acessibilidade está assegurada, mas deu o recado que a Agecopa não será a “salvadora da pátria” resolvendo todos os problemas do Estado. “Temos que separar o que é nossa atribuição e o que não é. Às vezes colocam a Agecopa como a esperança de resolver tudo, problemas que são dos municípios e até mesmo do Estado. Nós temos uma matriz de responsabilidade a seguir e estamos trabalhando em cima dela”, disse Eder Moraes.

http://www.diariodecuiaba.com.br/

By TurismoMT

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: