Rota do Mar e das Montanhas (Vitória, Viana, Domingos Martins, Marechal Floriano e Venda Nova do Imigrante)

As cidades que compõem a Rota do Mar e das Montanhas são: Vitória, Viana, Domingos Martins, Marechal Floriano e Venda Nova do Imigrante (ES).

Vitória é mar, lazer, porto, natureza, ilha, negócios, eventos, gastronomia e muito mais. É o centro e o símbolo da história, cultura e economia do Espírito Santo. A bela capital do Estado tem muito que mostrar, é a terceira mais antiga do país, fundada em 8 de setembro de 1551.

A deliciosa ilha possui 105 km² de praias, parques e um rico patrimônio histórico cultural. A parte histórica se concentra no centro da cidade, onde se podem apreciar belas construções do período colonial, como o Palácio Anchieta, construído no século XVI pelos jesuítas; a Catedral Metropolitana, com os seus belíssimos vitrais e o Teatro Carlos Gomes.

As praias da Curva da Jurema, Ilha do Boi e Ilha do Frade têm águas calmas, cortadas por rochedos. Há também a praia de Camburi, com mais de 6 km de calçadão e espaço para práticas esportivas. Com 91 m² de área verde por habitante, Vitória tem 12 parques e reservas ecológicas com trilhas e espaços para as atividades físicas e culturais.

O turismo de negócios e eventos vive seu melhor momento em função da sua localização estratégica; que fica muito próxima aos grandes centros urbanos; da profissionalização do receptivo, dos novos hotéis e restaurantes, além da formação da mão-de-obra especializada e a hospitalidade do povo capixaba.

A capital capixaba ainda oferece uma noite de muito charme e opções. No circuito de bares e restaurantes da Praia do Canto, Jardim da Penha, Orla de Camburi e Ilha das Caieiras, o visitante pode apreciar pratos sofisticados da culinária internacional e da culinária local, como as tradicionais Moqueca Capixaba e a Torta Capixaba, preparadas em panelas de barro. Possui espaços aconchegantes e interessantes, onde se pode aproveitar a noite, seja para apreciar sua culinária, seja para atravessar a madrugada numa pista de dança.

Para ver e se divertirem em Vitória:

Capela de Santa Luzia: Imóvel mais antigo da cidade, construído antes de sua fundação. Possui uma galeria de arte desde 1976.

Museu de Artes do Espírito Santo: O único do Estado dedicado exclusivamente às artes visuais. Funciona em um prédio neoclássico, construído em 1925.

Catedral Metropolitana: Em estilo neogótico, com vitrais valiosos, foi construída no século XX. Em seu subsolo há uma capela onde estão enterrados os bispos do Espírito Santo.

Basílica de Santo Antônio: Construído na década de 60, possui três cúpulas. A arquitetura é em estilo barroco, sendo uma réplica de um templo italiano do século XVI consagrado a Maria, na cidade Todi.

Palácio Anchieta: Construção jesuítica do século XVI, abriga desde o século XVIII a sede do governo estadual. De frente para o mar, com vista para o Porto de Vitória, o prédio guarda o túmulo do Padre José de Anchieta e é uma das sedes de governo mais antigas do Brasil.

Theatro Carlos Gomes: Construído em 1927 e projetado pelo arquiteto italiano André Carloni que se inspirou no teatro Scala de Milão, Itália. A cúpula de estilo neo-=renascentista italiano foi feita pelo artista plástico capixaba Homero Massena.

Praia de Camburi: A mais conhecida da cidade, com cerca de 5km, é ideal para a prática de esportes, como vela e pesca oceânica.

Curva da Jurema: Ao longo dos 800m de sua faixa de areia, o visitante pode admirar a paisagem, confortavelmente instalado em um dos muitos quiosques com áreas cobertas, que servem deliciosos petiscos da culinária capixaba.

Porto de Vitória: Principal terminal de transporte marítimo da Capital. Instalado em 1870, juntamente com os prédios do Centro da cidade, forma uma bela paisagem.

Terceira Ponte: Com seus 3.331 m de extensão a Ponte Deputado Darcy Castello de Mendonça demorou 15 anos para ser construída. O vão central com 260m é um dos maiores do mundo.

Planetário e observatório: Localizados no Campus da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), permitem observar imagens de sistema solar e das constelações de uma cúpula de 10m de diâmetro e de 180 graus.

Parque Moscoso: Inaugurado em 1912 e tombado como patrimônio cultural pelo Conselho Estadual de Cultura, tem lagos, árvores e brinquedos infantis em seus 48 mil m². Sua concha acústica é palco de inúmeros espetáculos.

Parque Municipal Pedra da Cebola: Ótimo para caminhadas e contato com a natureza. No local funcionava uma pedreira, transformada em parque graças a uma ação da comunidade. O parque também conta com um espaço cultural, casa de meditação, jardim oriental e mirante sobre um paredão rochoso, utilizado para alpinismo.

Penedo: Com 132 m de altura, servia de ponto de apoio para a defesa da ilha. Fica em Vila Velha, mas faz parte do cenário da baía de Vitória.

Rota Manguezal: Passeios pela baía de Vitória, com saída do Cais do Hidroavião em Santo Antônio. A escuna passa pelos mangues de Santo Antônio, São Pedro, Ilha das Caieiras e Nova Palestina e vai até a Reserva Ecológica do Lameirão.

Panela de Barro: Melhor representação do artesanato capixaba de origem indígena. Uma tradição de 400 anos. Torna mais saborosos os pratos típicos. a base de frutos do mar, como a moqueca e a torta capixaba. A Associação das Paneleiras funciona no bairro de Goiabeiras, e comercializa as panelas.

Viana faz parte da região metropolitana da Grande Vitória, apesar de manter características de uma pacata cidade do interior. Essa marca você vê em todo o município, onde o agroturismo e o turismo rural são destaques.

Aqui, você pode fazer um gostoso passeio pelos sítios que preparam, artesanalmente, vários tipos de produtos caseiros. Tudo isso vem da tradição deixada pelos imigrantes que chegaram ao município no Século XIX: portugueses, negros, indígenas, italianos e alemães.

Na Casa da Cultura, é possível retornar ao passado, contemplando o acervo fotográfico e utensílios mobiliários que preservam a história. O Casarão, que pertencia à Família Lyrio, localizado na sede da cidade, é uma relíquia da arquitetura açoriana. Essa casa que já hospedou até o Imperador D. Pedro II é considerada uma das construções mais antigas do Espírito Santo. Outra opção é a prática de esportes radicais: treekking, vôo livre, trilhas ou motocross. E pra completar, que tal um mergulho no parque aquático, com toboáguas e bicas d´água naturais? É diversão garantida.

Museu Ferroviário: Antiga Estação Ferroviária, construída em 1895.

Casa da Cultura: Funciona em um casarão que pertence à família Lyrio, localizado na sede da cidade, ostenta arquitetura açoriana. Uma das construções mais antigas do Estado, já hospedou o imperador Dom Pedro II.

Domingos Martins caracteriza-se pelas particularidades da culinária resultante da influência dos colonizadores alemães e italianos. A cidade possui arquitetura marcante e clima europeu. O município possui uma excelente Infraestrutura hoteleira, com opções de cafés coloniais e paisagens exuberantes. O turismo de aventura também é apreciado nesta região e praticado em cadeias de montanha. O Parque Estadual Pedra Azul é uma referência da região, possuindo trilhas e piscinas naturais. Em Domingos Martins acontecem eventos como: o Encontro Internacional dos Amigos do Vinho que reúne os maiores someliers do país e atrações internacionais e o Festival Internacional de Inverno, que apresenta concertos musicais que atraem muitos visitantes e turistas.

Sommerfest: Festival da Imigração Alemã, criado em 1987 e realizado do final de janeiro ao inicio de fevereiro. Paralelamente ocorre uma das etapas da Copa Nacional de Canoagem raid Domingos Martins.

Festival Internacional de Inverno: realizado no mês de julho com o objetivo de incentivar o estudo da música. Envolve oficinas de musica, apresentações de músicos famosos e concertos diários.

Igreja Luterana: Construída em 1866, é a primeira igreja evangélica do país a ter uma torre.

Museu Histórico e Casa de Cultura: Retratam as colonizações alemã e italiana e expõe fotos, mobiliário colonial, quadros e objetos trazidos da Europa. Constam de seu acervo documentos e objetos ligados ao mártir Domingo José Martins de cartas e lembranças da visita do imperador D. Pedro II ao Estado.

Fábrica de Violinos: Produz arcos de violinos exportados para os Estados Unidos e para a Europa.

Parque Estadual Pedra Azul: Reserva natural com 1.240ha, compreende várias trilhas e fauna e flora bastante diversificadas. Nele está a Pedra Azul, que se destaca na paisagem com seus 1822m de altura. Inclui ainda a Pedra das Flores, com 1.909m de altura, e a do Lagarto.

Orquidário Kautsky: Reserva florestal, reúne 1.300 espécies de orquídeas e bromélias.

Conhecida como cidade das Orquídeas, Marechal Floriano possui uma vasta quantidade de espécies de orquídeas nas matas ao redor da cidade. Da imigração italiana a alemã, você pode apreciar deliciosos pratos típicos, nos restaurantes tradicionais da região, acompanhados por um agradável clima de montanha. A dança e os corais cultivam as tradições, com grupos italianos e alemães que viajam por todo o Brasil levando, nas danças e na música, a alegria trazida pelos imigrantes e a esperança de progresso de novas terras, onde hoje predominam a agricultura familiar.

Cachoeira do Bem-te- vi: Queda d’água com 40m de altura e 10m de largura. No local, há um jequitibá secular, medindo 50m de altura e 8m de diâmetro, com orquídeas e bromélias.

Gruta de Nossa Senhora de Lourdes: Com aproximadamente 1,7m de altura e 4mde largura, é uma espécie de “marquise” onde os fundadores de Santa Maria dormiam no ano de 1879. O abrigo foi também utilizado durante o desbravamento da mata de seu entorno. A gruta guarda a estátua da Santa de Lourdes.

Orquidários: há dois no Município: Nego Plantas e Florabela Orquideas. Vale a pena visitá-las para constatar a vasta quantidade de espécies de orquídeas das matas ao redor da cidade.

Venda Nova do Imigrante é conhecido pela Festa da Polenta que preserva costumes e tradições italianas. O município também resguarda os traços fisionômicos dos tempos do período da colonização. Dentre os segmentos explorados, destaca-se o agroturismo, turismo de aventura e o ecoturismo. O agroturismo em Venda Nova do Imigrante é uma referência do turismo nacional. As propriedades rurais oferecem opções de compras de uma grande variedade de produtos caseiros como doces, geléias, pães, café, queijo e onde o turista tem a oportunidade de acompanhar os processos de produção dos alimentos e do dia-a-dia da vida rural.

Festa da Polenta: realizada sempre na segunda semana de outubro. Com três dias de duração, resgata a cultura italiana com danças, músicas e comidas típicas.

Casa da Cultura: Museu com mais de 600 peças que contam a saga da colonização italiana, iniciada em Venda Nova em 1892.

Caxixe Frio: Região de maior produção de morangos e hortaliças do Estado, tem bela paisagem emoldurando o Pico do Forno Grande e a Pedra Azul.

Propriedades de Agroturismo: Opção para conhecer o cotidiano da vida rural. As propriedades, algumas abertas à visitação, produzem queijos, licores, cachaça, socol e café. Na cidade, há também lojas de agroturismo, que fornecem informações sobre o segmento para os turistas.

Morro do Filleti: Com 1.110m de altura, tem rampa para decolagem de asa-delta e parapente.

http://www.es.gov.br

By TurismoMT

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: